IV Retiro de Formação e Espiritualidade para Coroinhas

05/10/2018 15:17
   
     Nosso quarto ano de Retiro teve início com o Tríduo a São Tarcísio que aconteceu na Matriz de São José nos dias 15 à 17 de agosto de 2018, cujos celebrantes foram Rodrigo, Eduardo, Pe. Roberto. Estes, nos falaram sobre “Servir com dedicação ao Senhor, com todo zelo necessário”; “A necessidade de ser exemplo dentro e fora da Igreja, como coroinha, e sendo exemplo para o outro viver uma vida de oração, e, ser exemplar no serviço realizado a Deus, no altar do Senhor” e “A importância de perdoar sempre, fazendo sempre um esforço diário para mudar minhas atitudes”. Tríduo este que nos ajudou a vivenciar com mais profundidade o IV Retiro de formação que aconteceu dia 18 de agosto no Centro São Miguel.
       O encontro de formação começou com a Celebração da Palavra, encerrando assim, o Tríduo à São Tarcísio seguida da adoração ao Santíssimo Sacramento, nesta o celebrante André Freire nos ajudou a refletir sobre o quanto é necessário estar atento ao que o Senhor quer nos falar; pois Ele nos chama para missão, em um serviço da Igreja. E ser coroinha é coisa séria, é servir por amor, é servir com amor no altar do Senhor; pois o coroinha é referência e deve ser exemplo para os outros aonde quer que esteja. E é necessário ser um bom missionário. Terminada a adoração, aconteceu um momento de animação conduzida por Kaliane, após o lanche tivemos a 1ª Palestra com o tema “Ser discípulo de Cristo, exige renúncia de si mesmo”, nesta o palestrante Cícero Leonardo tratou da importância de ser discípulo, isto é, ser seguidor, e, sobre o chamado de Deus; pois quando Deus nos faz este convite é para que sejamos diferentes e para que aprendamos com Cristo como nos comportar no serviço que nos é confiado. Jesus nos chama sempre para uma mudança de vida. Com a reflexão do evangelho de Mt 10 pode-se perceber que Jesus chamou os discípulos para que eles mudassem de vida, e o coroinha deve agir diferente no seu serviço, sendo exemplo e mostrando o Rosto de Cristo para o outro.
        O palestrante tratou, também, da atitude de Jesus que escolheu os humildes, os pequeninos, todos aqueles que precisam mudar de vida, mesmo os errados, para ensinar o caminho certo, o verdadeiro caminho, e, por isso é preciso ouvir o que Jesus nos quer ensinar, principalmente, na Santa Missa. É preciso antes de servir estar a serviço do outro ensinando aqueles que não sabem. Ser apóstolo é ensinar o outro a buscar primeiro a Deus. Terminada a palestra foram divididos os grupos para trabalhar, o tema estudado, em forma de oficina, cujos grupos apresentaram suas temáticas através de dramatizações deixando a seguinte reflexão “Evangelizar diante das dificuldades e não se cansar de ensinar, obedecendo às instruções de Jesus, sabendo ensinar o outro que chega para o serviço de coroinha, bem como, evangelizar em toda e qualquer situação, principalmente diante das perseguições do mundo, sem tirar os olhos do Senhor, dando o nosso sangue pela evangelização; pois Jesus chama discípulos com seus defeitos e qualidades para a missão”. Fomos almoçar encerrando assim os trabalhos da manhã.
        À tarde iniciamos os trabalhos com um louvor onde todos os participantes gastaram suas energias com muita dança, depois aconteceu a 2ª Palestra com o tema “Chamados à Missão”, nesta o palestrante Emanuel Silva tratou sobre a importância de estar disposto a ir aonde Jesus nos enviar; pois o Espírito Santo nos capacita para anunciar a Palavra de Deus a todos os povos. Com a reflexão do evangelho de Mc 16, 15-18 destacou-se três maneiras de fazer missão: indo, orando e contribuindo. Sendo questionado, qual dessas formas, a Pastoral dos Coroinhas tem contribuído para que pessoas busquem a Cristo, uma vez que, o futuro dependerá do que agora fizermos. E, certamente, há muito por se fazer. Sendo preciso semear a Palavra de Deus, multiplicando sempre. O palestrante encerrou sua colocação com a seguinte frase:  “Eu não quero uma Igreja tranquila, quero uma Igreja missionária.” (Papa Francisco)
        Após este segundo momento de formação, iniciamos a Gincana com a proposta de trabalhar os temas das palestras de forma mais descontraída, nesta teve o jogo das argolas com debates através da leitura de imagens; pescaria com reflexão de textos bíblicos; jogo do bambolê e da bola; tiro ao alvo e o jogo “o outro lado” para trabalhar a unidade e o cuidado com o outro enquanto grupo. 
      Durante a gincana aconteceram alguns momentos marcantes, bem como, o trabalho em equipe; a partilha do testemunho de vida de alguns coroinhas e do reconhecimento do amadurecimento durante a caminhada, isto é, o aprendizado com o outro, a formação na prática, a identificação das qualidades e dos defeitos de cada um e com isso a aceitação e o respeito no processo de servir, percebendo que se deve está a serviço do outro, ajuda-lo a levantar para que ele não desista da missão. Com isso chegou-se a conclusão que deve-se caminhar na Pastoral dando o seu melhor, colocando a serviço da Comunidade aquilo que se sabe fazer de melhor; pois foi por este dom que Jesus nos chamou. E, principalmente, presar pela unidade do grupo.
                                                                                                                                      Daliana Xavier  (Coordenadora)